Factos & questões… reflexões

10900121_827011584003761_6638316037879490052_oA edição da pretérita 6ª-feira do Jornal do Centro, traz à discussão e/ou reflexão política local uma série de questões pertinentes relacionadas com o desempenho do executivo autárquico liderado por António Almeida Henriques, mormente atrasos relacionados com obras e acções publicamente anunciadas pelo executivo camarário e que, nesta data, deviam, na maior parte dos casos, ter “desenvolvimentos” positivos, o que na realidade não se verifica.

São citados, a título de exemplo, os atrasos relacionados com o concurso de ideias para a cobertura do “Mercado 2 de Maio”, anunciado em 18 de Setembro, a reconversão/beneficiação do Pavilhão Multiusos que vem sendo “falada” como primordial e necessária, a extinção da Expovis e consequente criação da “Viseu Marca”, exemplos a que acrescem o também anunciado concurso para a instalação de um hostal no centro histórico, a mudança de instalações da Polícia Municipal “a curto prazo”, estávamos a 10 de Setembro, o “famigerado” regulamento de horários para bares e estabelecimentos diversão nocturna que tinha “vida” prevista ainda em 2014, a instalação da Escola Profissional Mariana Seixas na Rua Direita anunciada para Janeiro corrente não se efetivará tão depressa, a criação de uma rede de vias cicláveis na cidade, ligação ao centro histórico, passo a citar “as propostas serão apresentadas e sujeitas a debate público até ao final deste ano”.

Aguarda-se com expectativa a instalação do denominado “estaleiro-escola” neste 1º 10426273_1583744198510532_4970375673325431629_ntrimestre do ano e o inicio das obras de adaptação do novo edifício das “Águas de Viseu” e consequente  transferência dos respectivos serviços para o centro histórico, com início aprazado para 2016 e conclusão algures no Verão de 2017. Bem como notícias sobre o “estado” do processo de candidatura de Viseu à lista de sítios Património da Humanidade da Unesco ou da mudança de serviços camarários para o edifício do “antigo” Governo Civil” ou, ainda, sobre a actvidade do Gabinete de Apoio às Famílias Endividadas e o arranque da incubadora de empresas…

Mais do que elencar medidas não concretizadas ou não cumpridas, interessa aqui perceber o que está por detrás destes “atrasos e incumprimentos” ou “imparidades” para usar um termo mais em voga. É, também, certo, que alguns dos anúncios ocorridos não dependem única e exclusivamente do Município, lembro, por exemplo, o anúncio feito pelo Sec. de Estado dos Transportes, o  mangualdense Sérgio Rodrigues, do início da carreira aérea Viseu-Tires, ou os continuados anúncios sobre a linha férrea e duplicação do IP3 ou nova ligação de Viseu a Sul… Será interessante acompanhar o percurso político “próximo” deste jovem e, já agora, perceber para onde caminha a “nova” AIRV com Carlos Marta, ex-edil tondelense e “fantasma de Fernando Ruas”, agora no comando das operações…

Regressando ao móbil deste manifesto, que não anti-Dantas, mas sim pró-Viseu, afinal que aconteceu? Ou melhor, o que é que não aconteceu, para que estas “imparidades” tivessem surgido?

Será incapacidade política do Executivo ou de parte dele?

Será que estamos a assistir a um “golpe de estado” palaciano?

Existirão “forças de bloqueio” externas?

E a oposição, PS e CDS, onde estão?

Perguntas pertinentes e para as quais se procuram repostas.

Em relação à 1ª questão já falámos sobre a constituição da lista vencedora logo hqdefaultquando eleita e em jeito de balanço, após o 1º ano de mandato, alertávamos que no poder autárquico não existem remodelações de “casting”, por necessidade ou não, o poder concentrou-se nos Gabinetes do Presidente e do Vice-Presidente, enquanto Guilherme Almeida vai passando nos intervalos da chuva e vai mostrando que a antiguidade é um posto e que ser “bereador” não é tão fácil como alguns julgam, aos vereadores João Paulo Gouveia e Odete Paiva, espera-os um 2015 de muito trabalho político… Não terão vida fácil em 2015 Jorge Sobrado e o “cardeal” Nuno Nascimento, peças essenciais na coesão e capacidade produtiva do executivo.

Golpe de estado palaciano pode parecer um termo forte, despropositado e exagerado, mas não. Logo por alturas da posse de António Almeida Henriques por aqui falávamos que António ia enfrentar resistências e resiliências, que obstáculos e pedras pelo caminho seriam muitos e foram e são. Almeida Henriques e seus pares entraram fortes, com determinação e velocidade estonteante para uma máquina pesada, reactiva e corporativa, habituada a outro ritmo e estilo. António, bem, mexeu no “xadrez”, movendo as peças na busca da posição de conforto, saiu de “brancas”, em primeiro e fez mossa. Atordoadas, as peças do tabuleiro foram reagindo, conhecedoras do “terreno” foram fazendo ver, aqui e ali, que com eles talvez, contra eles nunca. Estava dado o mote, era preciso não esmorecer e fazer vingar a velha máxima da (alguma) função pública: “se sempre foi assim, vai ter que continuar assim”, se são 45 dias,não têm que ser 44, etc., etc., etc….

As forças de bloqueio foram ou ficaram celebrizadas nos tempos da co-habitação Soares-Cavaco, sendo que a elas se referia Cavaco quando queria apontar a razões e Unknown-1pessoas fora da esfera do seu governo e que constituíam um óbice à prossecução dos seus objectivos de governação. Almeida Henriques tem encontrado algumas dessas forças de bloqueio e nas quais não se integra a oposição, mas, por paradoxo, se encontram alguns “bate nas costas”, um novo estilo de oposição, sem rosto, que está com todos e não está com ninguém, que é sem ser mas que está sempre presente…

Perante uma oposição perdida e baralhada em si mesmo e a quem competia questionar, fiscalizar, analisar e debater, não necessariamente por e nesta ordem, ficam perguntas por fazer e, em consequência, repostas por dar.

Factos são factos. Explicações e/ou respostas existem muitas, para todos os gostos e feitios. Muito provavelmente, num misto do que acima se enuncia ,em jeito reflexão, encontraremos algumas respostas para o sucedido, ou não…

Olhando para 2015, lembro-me de uma célebre afirmação de Sir Winston Churchill: “Eu sou um optimista. Não me parece muito útil ser outra coisa.”

Anúncios

2014, a revista não editada – parte I & conclusão

Já em 2015, com as festas, faltam os “Reis”, passadas, com 2014 “quase arrumado” e em tempo de vésperas de mais um ano intenso a todos os níveis, resolvemos olhar para os protagonistas e acontecimentos que no nosso entender marcaram de algum modo o ano que findou.

Vamos fazê-lo de forma simples, directa e corrida. Sem preocupações de estilo ou forma, sem receio de susceptibilidades bacoco-mimadas e na certeza que não agradaremos a todos. Ainda bem, também não estamos cá para isso.

Como nota prévia, dizer que a eleição da personalidade local do ano 2014 por parte dos leitores de “Tempo de Vésperas” em nada condiciona a nossa opinião ou altera o nosso julgamento e análise. No entanto, os resultados devem ser lidos e analisados de forma natural e levados em conta na correta proporção da sua importância.

images-7Até para arrumar já o assunto e para dar um “biscoito” aos anónimos “locais”, dizer que não nos admirou muito a “eleição” de Fernando Ruas como a personalidade local do ano 2014. Não é só na “Casa Calçada” que se ouvem, dizem, ruídos estranhos e se passeiam “fantasmas”, também, pelas “ruas” da cidade e por alguns gabinetes do Rossio, se vão ouvindo ruídos estranhos… Agora mais a sério, o que é um facto é que, apesar de tudo, Fernando Ruas consegue manter-se à tona da água no espectro político local… Ruas, ou outros por ele, lá vai, de tempos a tempos, acalentado a esperança de uns quantos saudosistas que ainda não perceberam que os tempos são outros… Ruas percebeu que tem, ainda, lastro, tropas e audiência, percebeu que o PSD local não esqueceu, ainda, quem arranjou empregos, alcatroou estradas e inaugurou fontanários. Fez tudo isso e, “vox populi”, “deixou” dinheiro no cofre que outros agora desbaratam… Ruas, em 24 anos de poder, trouxe a Universidade, o comboio e a ligação a sul em auto-estrada, dinamizou a economia e não deixou responsabilidades financeiras emergentes… ops!!! Não trouxe?? Bem, vai trazer agora… Ou não, porque Fernando é um homem inteligente e sabe que basta “ameaçar” para existir e ao contrário de alguns carregadores de baldes, leu Héraclito e sabe que não se cruza o mesmo rio duas vezes, porque outras são as águas que correm nele.

Com um ano de mandato à frente dos destinos da urbe-região, António Almeida imageHenriques já percebeu que vai ter pela frente um 2015 muito exigente. Sem grandes obras “físicas” para fazer, António tem que “ganhar” as aldeias, e acelerar na economia. A esta altura já percebeu com quem pode contar, mas também sabe que tem que levar o barco, com todos, até 2017… Aguenta António…

Para quem ande desatento, é bom reler a “bíblia”  “Estratégia Viseu Primeiro 2013/2017”.  Oposição incluída e alguns vereadores da “situação”. Os primeiros porque têm o trabalho de fiscalização facilitado e os segundos para perceberem os compromissos que assumiram e o que ainda não fizeram e/ou têm para fazer…

Ao que acima dissemos, acresce que na área da cultura e turismo, também 2015 tem que ser muito diferente. Para quem tem como desígnio transformar Viseu no terceiro pólo cultural do país, muito trabalho tem pela frente Odete Paiva, que a par de João Paulo Gouveia, responsável pela pasta da “coesão territorial”, vão estar sobre forte escrutínio no ano que agora começa.

Oposição, infelizmente, foi coisa que pouco se viu no pretérito ano, se na vereação helder-amaralHélder Amaral não cumpriu as expectativas criadas, cabendo na maior parte das vezes ao esforçado Vítor Duarte a representação centrista nas reuniões de câmara, também na Assembleia Municipal o CDS esteve muito abaixo do esperado, minado com “não” problemas internos, entra em 2015 sem a presença do seu cabeça-de-lista Fernando Figueiredo,por motivos profissionais diga-se em abono da verdade, a mesma que nos mostra que se esperava, também, mais e melhor, deste CDS que tinha tudo para ser feliz… Perde o CDS e perde, seguramente, Viseu.

Já o PS, bem, nem vale a pena perder muito tempo… está em transição de gerações, esperamos que até 2017 recupere.

Assim sendo, acabaram por ser BE e a CDU a protagonizarem, no seu estilo de arremesso fácil e pouco consequente, alguns dos melhores momentos do ano em matéria de oposição.

Em matéria de acontecimentos, 2014 fica marcado pelos inevitáveis “Jardins 1898142_856440887729705_5204404808033583599_nEfémeros”, na sua IVª Edição e sob a batuta de Sandra Oiveira se vão afirmando como um dos cartazes da cidade. Também 2015, será um ano vital para o futuro dos “jardins”, tendo pela frente, Sandra Oliveira, o desafio, não só de “fazer” melhor, mas, sobretudo, de conseguir abrir caminho para uma futura auto-sustentabilidade económico-financeira, a nosso ver vital…

“NÓS FEIRAR” deu muito que falar. Até rima, mas o que é certo é10511095_887722147910696_7722100055394428865_n que se em 2014 se procurou começar a mudar o que todos sabem ter que ser mudado em relação ao maior certame e cartaz turístico da região, 2015 é completamente decisivo nesta matéria. Dossiers como a extinção da “Expovis” e a criação da associação “VISEU MARCA”, já deviam estar mais que resolvidos. Em 2015, nesta matéria, a palavra de ordem é “NÃO ERRAR”…

logoindexA iniciativa “Viseu & Vinho Dão Festa” veio para ficar, apesar das vozes costumeiras dos “velhos do Restelo” que ainda não perceberam que o paradigma mudou e que não se promove para dentro, mas sim para fora. As portas e janelas fizeram-se, também, para abrir… Em 2015 o desafio será seguramente maior e não pode ficar confinado aos “salões do Dão”, é preciso levar Viseu e o Dão a quem o não conhece…

Já por aqui falámos de outras personalidades e projectos que levam consigo a marca “VISEU”, no entanto, não posso ficar sem dar o devido destaque e referência à Escola Profissional Mariana Seixas, talvez a mais premiada a nível nacional e que em 2014  “trouxe” consigo, entre outros, o Prémio do Público no BGreen- Festival Ecológico de Vídeo em Santo Tirso, o 1º Prémio Nacional no Concurso INOVA- Melhor Projeto- 10333788_10201357925388930_1680888211585756928_oCasaco Inteligente para Bombeiros e Prémio Inova Social- Casaco Inteligente para Bombeiros, o 1º Lugar Nacional no Concurso Europeu das Florestas, Melhor Curta-Metragem na Categoria Escolar no VistaCurta 2014, Conquista do Selo Europeu para as Línguas e o 1º lugar nacional no Prémio Cooperação e Solidariedade António Sérgio- Casaco Inteligente para Bombeiros. Parabéns a todos na pessoa do seu Director, Gonçalo Ginestal, que não perdeu o “GPS” e, talvez mesmo, dele não precise.

Uma palavra final, para notar a diferença de ambição entre o “meu” Académico de 10626534_771795162888000_8090377116847222423_nViseu e o vizinho C. D. de Tondela, está aí à vista de quem quiser ver… e um incentivo para um 2015 de consolidação do Lusitano de Vildemoinhos e de reconhecimento ao trabalho desenvolvido ao nível da formação desportiva dos jovens pelo carismático Dínamo da Estação.

Como sempre, assinado…

Rui Rodrigues dos Santos

Passou um, ainda faltam três…sete… nove…

Para desespero de alguns e alegria de uns quantos “cobardo-anónimos” que populam pelas redes sociais e “comentam” em alguns blogues, sempre a coberto da vergonha descarada de serem incapazes de assumirem o que pensam e  dizem, talvez fruto de frustações pessoais de qualquer espécie mas sempre próximas da “entalada zurrice crónica” que os caracteriza e os quais, nos últimos tempos, têm manifestado a sua preocupação com o estado d’arte de “Tempo de Vésperas” e com as opiniões veiculadas por este humilde escriba, o qual por formação, educação e respeito por todos, mesmo aqueles que não sabem o que isso é, assina sempre o que escreve, assume o que faz e diz, sem tibiezas ou receios do que quer ou quem quer que seja, aquilo que pensa e o que faz. É essa a minha liberdade, que ao que vejo a alguns, poucos, falta..

Centrando no que verdadeiramente importa, interessa fazer uma reflexão séria, curta mas rigorosa sobre este ano e um mês de gestão autárquica de António Almeida Henriques, oposição(??) incluída.

Na última Assembleia Municipal, animada e divertida como é usual, António, o Presidente, no balanço que fez deste 1º ano e um mês de gestão do Município imagedesfiou um rol de realizações, de projectos em curso e ideias para o futuro e voltou a lembrar que está tudo vertido no documento estratégico “VISEU PRIMEIRO 2013/2017”, qual manual de procedimentos…

Não vou elencar o que foi feito ou não foi feito, deixo isso para para quem tem a responsabilidade de fiscalizar o trabalho de António e seus pares, a “oposição”. E nesta matéria se para uns, os socialistas, é “Ruas” que marca este  1º ano, já para o CDS foi só foguetório, segundo Hélder Amara,l tudo não passou de festas & festinhas. Nesta matéria, aquele que já apelidaram de “Torquemada das Beiras”, expressão infeliz diga-se de passagem, tem alguma razão, mas foi curto na análise e perdeu-se na facilidade do “soundbyte” apesar de em entrevista ao “Jornal do Centro” ter aflorado algumas verdades pertinentes antes de se perder na defesa do eucalipto…

Já o PS, mostra-se algo adormecido, de uma modéstia gritante e de um vazio de ideias generalizado. Com JJ em pré-reforma e com João Paulo Rebelo em silenciosa pré-campanha para 2017, valha-nos a sempre simpática e participativa vereadora Rosa Monteiro.

Do lado do executivo municipal, escrevemos aqui, em 23 de outubro de 2013, “chegaram os dias de António“, para desespero de Fernando, a quem diga-se, em muito faltou o que ao “Tó” tem sobrado. A preocupação mor deste ano foi fazer “esquecer” Ruas, a par de preparar a sedimentação necessária e precisa se  for para levar a sério e cumprir o denominado “projecto a 10 anos”. Num ano fortemente marcado pela força comunicativa do denominado gabinete de propaganda, a gestão de Almeida Henriques procurou e conseguiu impor um ritmo externo de elevada intensidade, focado na assunção clara da cidade-região de Viseu como “cidade líder” de uma vasta região do centro de Portugal.

Em Janeiro do corrente, fazíamos aqui, a análise do estado d’arte de então, hoje vemos que pouco ou nada errámos à época.

Com um ano positivo q.b., onde efectivamente se marcou a diferença, onde os input’s urbanos foram em larga escala dominantes e se introduziram novos conceitos na gestão do Município, preocupa-nos mais o que aí vem, o futuro, do que própriamente o passado e o presente efémero. E é aí que importa centrar a análise, porque é neste futuro que se joga toda a dimensão da cidade e da região, é neste futuro que se centra a ambição e foi sempre, na minha opinião, na falta dela, que se falhou no passado.
Nos próximos tempos António e a sua equipa vão ter que operacionalizar muito do que foi “semeado” neste primeiro ano de mandato, vão ter que direccionar o foco para lá do Rossio e do centro histórico em termos de política “interna”, urge “chegar” ás aldeias, não para as trazer ou levar até elas o Rossio, mas para que em quem cada uma delas se possa afirmar que “Viseu é a melhor cidade para Viver”. Vai ser necessário mostrar que os vários projectos e fóruns criados e anunciados são úteis e concorrentes para um Viseu de e com futuro. Vai ser preciso de forma mais incisiva dinamizar a busca de investimento económico de cariz permanente e socialmente responsável, vai ser nuclear continuar a “mudança” este ano iniciada na Feira de S. Mateus, e trabalhar muito, a todos os níveis, para que se alcance o tão apregoado objectivo de tornar Viseu no 3º pólo cultural do país…

Assim sendo, apresentam-se como cruciais para o sucesso de Viseu, os dois próximos anos de gestão autárquica.
É simples, basta cumprir com o “VISEU PRIMEIRO 2013-2017” e a oposição, quer na vereação, quer na Assembleia Municipal, cumprir com o seu papel de fiscalização construtiva. A António Almeida Henriques, acresce, ainda, resolver de vez alguns problemas de casting no “seu”(pouco) inner- circle, que com mais ou menos propriedade já por aqui demos conta, sendo que nas autarquias não é possível remodelar…

A bem de Viseu, que todos cumpram…

Fernando, não te fica bem…

images-7Fernando Ruas decidiu não receber o “VIRIATO D’OURO” atribuído por unanimidade pela Assembleia Municipal de Viseu, sob proposta também unânime da Câmara Municipal. Ruas está no seu direito e lá terá as suas razões. Ruas, que todos sabemos, não morre de amores pelo actual executivo e vive obcecado pela ideia de voltar a subir a escadaria dos Paços do Concelho,  qual  Sassa Mutema, o salvador, cometeu um erro crasso de análise. Fernando não rejeitou uma ou a “distinção” de Almeida Henriques. Fernando, o homem e o autarca, rejeitou a distinção e o reconhecimento efectivo do seu povo, de quem o elegeu durante 24 anos, num acto da mais pura ingratidão e soberba autista. Nada mais a acrescentar.

O “grande” líder…

10155042_1483055318579421_7429035283294594243_nAntónio Almeida Henriques a liderar o centro, afirma o JN na sua edição de sexta-feira santa, 18 de Abril.

176 dias após a tomada de posse de António como Presidente da edilidade viseense, a estratégia a que já aqui aludi de tornar Almeida Henriques o “líder” da região centro começa a surgir como uma realidade incontornável. De facto, António Almeida Henriques tem vindo a posicionar-se e a tomar posição como tal, quer seja com tomadas de posição públicas sobre as mais variadas matérias que afectam a região e/ou a cidade região de Viseu, quer seja como “motivador” de fóruns de autarcas ou, mais importante ainda, pelas iniciativas que o seu executivo tem anunciado nestes dias de “primavera de Viriato”…

O recente lançamento da marca “Viseu a melhor cidade para viver” e a conferência que esta semana teve lugar no magnífico espaço do Museu Grão Vasco “Para que serve um sitio património da humanidade?” são os últimos exemplos disso mesmo, sendo o sucesso deste último inquestionável.

Viseu entrou de vez na chamada 3ª dimensão do desenvolvimento, hoje os horizontes rasgados vão muito para além do Caramulo, Viseu assume-se cada vez mais como a cidade-região do centro.

imagesAntónio Almeida Henriques tem vindo a elevar a fasquia, pouco tem sobrado na vontade, veremos adiante se também pouco ou nada ficará para trás do vasto leque de anúncios e promessas. Para e a bem da cidade-região de Viseu é bom que não…

 

VISEU, cidade região…

892c802f18927a1ef3809f058f047bc9a6d9cb891“Viseu, cidade região”… veio para ficar. Esta designação de Viseu como cidade região entrou no léxico político local e nacional pela voz do autarca de Viseu António Almeida Henriques e tem vindo a ser incessantemente repetida pelo mesmo nas suas intervenções públicas.

Confesso que me agrada e sou fã confesso de “Viseu, cidade região”, pois vem de encontro aquilo que há anos venho defendendo e a afirmar, que Viseu vais muito mais para além do seu território geográfico, Viseu era, é e será sempre a capital económica, política, cultural e social de uma vasta região. Mas não basta apregoar, é preciso concretizar, demonstrar no terreno com acções e opções que isso é assim mesmo.

images-1

Se com a anterior gestão autárquica esta opção, por vicissitudes várias, não era muito visível, com este novo executivo e fruto da agressiva política de comunicação que tem vindo a ser levada a cabo, esta opção passou a ganhar um destaque fundamental no projecto de poder autárquico de Almeida Henriques.

Interessante será perceber como reagem e vão reagir no futuro, quando efectivamentePurificação Tavares - entrevista esta liderança regional de Viseu se vier a sentir mais e a ser uma realidade insofismável, os concelhos limítrofes, mormente Mangualde e Tondela, mas principalmente Aveiro e Guarda, ou seja, o eixo da A25, onde pontificam autarcas, também eles, desejosos de protagonismo..

Mas centrando na questão meramente política de “Viseu, cidade região”, verificamos que esta é uma realidade de sempre que hoje se tonou mais visível e que é já, a meu ver, incontornável. Aos concelhos da região resta “vir atrás” pois só têm a ganhar com isso.

“Viseu, cidade região” sim…

O Regedor das Beiras – making off…

imgres-4Tenho acompanhado com especial interesse e cuidado a estratégia de comunicação da Câmara Municipal de Viseu e do seu Presidente, António Almeida Henriques, as quais sendo concorrentes e concordantes entre si, têm pressupostos e objectivos diferentes, mas convergem no modo e no tempo.

Vamos pelo início, andou bem António Almeida Henriques ao ter contratado para seuassessor Jorge Sobrado, especialista em comunicação, conhecido como o “homem do QREN” e ex-assessor do gabinete da Presidente da Assembleia da República, envolto em polémica, que agora não é para aqui chamada, nas últimas eleições autárquicas, que levou ao seu afastamento do cargo, que é como quem diz,  levou à sua demissão. Almeida Henriques, conhecedor das qualidades de Sobrado, com quem tinha trabalhado no Ministério da Economia e “causa-motivo” da polémica, resolveu passar do verbo à Captura de ecrã 2014-02-14, às 15.07.25acção e contratar Jorge dando-lhe como missão colocar Viseu no mapa das notícias, mas não só… Desde mudar radicalmente a estratégia de comunicar do Câmara, a criar uma equipa pluridisciplinar que “varre” tudo o que “é” Município de Viseu, passando pela “perninha” na cultura, Sobrado está e é omnipresente.

Mas, não menos importante, Sobrado tem a missão de promover António, de “fazer” de António Almeida Henriques a “voz” do centro, o líder de Viseu-cidade região.

1385596_613225632049025_1766035743_nDiga-se, em abono da verdade, que, até agora, este ilustre desconhecido, para os viseenses, tem cumprido bem o seu papel.

Sobrado, cujas “competências” vão muito para além das citadas, conseguiu colocar Viseu e os seus problemas, as suas realizações nas “bocas do mundo”, fruto de um intenso trabalho de charme junto da comunicação social local, regional e nacional, com particular incidência na imprensa do norte. Trabalho, que apesar de tudo, não tem sido fácil pois Viseu viveu 24 anos de costas voltadas para o resto do país….

Se na 1ª parte da estratégia tem cumprido com distinção, conseguindo quase que o milagre da multiplicação e, muitas vezes, do quase nada fazer notícia, na segunda tem cumprido e muito. Basta ver a quantidade de intervenções e aparições de Almeida Henriques nos órgãos de comunicação social, participações em eventos e reuniões com os seus pares e outros, onde, por norma aparece como o líder e/ou o  anfitrião.

Ora, tudo isto, concorre para uma estratégia, bem definida e já muito visível e em curso, de tornar António Almeida Henriques no “homem do centro”, no líder natural de uma região  que nunca teve uma “voz” ao nível do Norte, leia-se Porto, e do sul, ou seja da capital.

António Almeida Henriques, a quem reconheço astúcia e sagacidade política, mas também a ambição de ver para além do Caramulo,  viu em Jorge Sobrado a chave do cofre e chamou um dos seus melhores para uma das mais “duras” e importantes batalhas do seu magistério, projectar Viseu-cidade região no firmamento do país e do mundo ao mesmo tempo que se  torna, no bom sentido, no REGEDOR DAS BEIRAS…

Assim Sobrado, Jorge… o ajude.

(publicado na ed. de 14/2/2014 do Correio Beirão)