A 5 de Outubro…

11927476_944435928927992_4710657781160617393_oA um mês da ida ás urnas para a eleição dos representantes do povo e conhecidos que são os diversos propostos a tão importante missão, interessa olhar para o presente e perspectivar um pouco do que será o cenário político local a 5 de Outubro.

Sobre as diversas listas de candidatos já muito foi, com maior ou menor acerto, dito. Ressaltam, no entanto, algumas evidências que julgo pertinentes e, algumas delas, com impacto no xadrez político local pós-eleições.

Sobre a “liga dos últimos”, pouco ou nada haverá a dizer para além de realçar a boa vontade e empenho dos seus candidatos, com destaque para a CDU e para o seu candidato Francisco Almeida, o qual no campo da notoriedade e do conhecimento a nível do distrito, bate “aos pontos” todos os outros cabeças-de-lista, facto que pouco lhe vale em termos de resultados práticos.

Dos sobrantes, salientar apenas 2 ou 3 aspectos:

  • A coligação tem como cabeça de lista Leitão Amaro, apesar de segunda escolha, em face da recusa de Sérgio Monteiro, bem melhor que a “escolha” dos pretendentes
    Leitão Amaro

    Leitão Amaro

    socialistas;

  • O PS, leia-se António Borges e “sus muchachos”, arrumou de uma penada com José Junqueiro e Acácio Pinto;
  • Ambas as lista podem ser consideradas sofríveis, quando comparadas com as de atos eleitorais anteriores. No entanto, na minha modesta opinião e, ao que se vê, na de alguns socialistas, o PS consegue “fazer” pior…

Posto isto, seguro e certo é que nada será igual, politicamente e independentemente do resultado final nacional, no xadrez político local.

Vejamos:

  • Os líderes da oposição(??) autárquica local , João Rebelo e Hélder Amaral, deverão ficar confortavelmente sentados nas suas cadeiras do parlamento, deixando Almeida Henriques ainda mais à vontade;
  • O CDS, fruto desta coligação e independentemente do resultado, estará letalmente contaminado, prova disso mesmo serão as próximas eleições autárquicas, isto se sobreviver até lá;
  • O PS, já fracturado e, previsivelmente, derrotado, terá que procurar um novo rumo, mais a sul;
  • O PSD local continuará “quase” na mesma, com Almeida Henriques e Carlos Marta a disputarem, na sombra, a capacidade de influência futura;

De resto, é continuar a aguardar que as repetidas promessas sejam cumpridas, algo a que infelizmente, já estamos habituados…

 

Artigo de opinião publicado no “Jornal do Centro” de 4/9/2015

“Silly” ou não, é a “season” cá da malta…

Eis que chegamos a Setembro, suposto final de férias, “dead end” da denominada “silly season” politiqueira, a qual já foi bem mais interessante do que nos dias que correm…

Mantendo o registo, estamos então, em fase de “rentrée”, mas só para alguns, pois outros houve que não saíram de cena, ou não estivessemos em época de Feira de S. Mateus e a malta, mesmo dizendo que não, o que gosta mesmo é de “feirar”…

10488181_10204321341015219_2701961594739855324_n-1E feirar é o que tem feito António Almeida Henriques, edil de Viseu cidade região e com aspirações a líder regional. É que apesar das férias, a malta da “propaganda” não se cansa e vai que é um corropio… Ele é Volta a Portugal, ele é festa das Vindimas, Gabinetes do Agricultor e ciclistas outra vez, pelo meio ainda deu para ir ver o Académico ao Fontelo,10645304_1532237556994530_1137400549251394536_n lançar a requalificação do Largo do Arraial na “independente” Abraveses e para dar uma “mão” na Feira de S. Mateus ao som das concertinas do grande Canário… Aliás, a Jorge Sobrado, também conhecido como o “Biriato” dos tempos modernos, só lhe falta cantar à desgarrada, sendo que “desafiantes” não faltam nem vão faltar…

Animado e “quente” vai o verão socialista, mergulhados numa autêntica “jihad” pelo poder onde vale quase tudo, também a nível local, as eleições para a Federação Distrital estão ao rubro. Acácio Pinto e António Borges vão votos este fim-de-semana num clima 10538569_288975371281699_5139794759397608584_nde grande crispação interna, mas com as quotas em dia e concelhias renascidas. António Borges, a fazer fé na “cacique-ó-sondagem” que a sua candidatura fez nos últimos dias, é apontado como provável vencedor. Habituado a ganhar, Borges, o candidato do sistema, 10687089_678000338961615_1100672476958641454_napoiante e apoiado por Seguro, colocou no terreno toda a sua sapiência em matéria de campanhas e eleições surpreendendo um Acácio Pinto que ainda acredita que são as ideias que ganham eleições.

Calmo e temperado foi o verão laranja, com a questão distrital arrumada com a291762_2222711610675_1595365208_n manutenção, conveniente, de Mota Faria na liderança da distrital, talvez como prémio pelos resultados eleitorais alcançados, cabe a Pedro Alves dar as cartas. Aquele que já apelidaram de “mourinho” das beiras vai dando o “jogo” conforme pode e deixam, resta saber até quando…

HACom a concelhia local, essa sim, literalmente de férias, eleita faz hoje precisamente 2 meses, à espera de “posse” mas com vontade de “feirar” em grande já no próximo dia 12, o CDS, cuja distrital irá brevemente, ou não, a votos, teve um verão aparentemente calmo e sereno, com Hélder Amaral a procurar “arrumar” a casa. Apesar de algumas movimentações é provável que não tenha oposição…

A grande novidade deste verão na política local é a saída do PCP da sua histórica sede em Viseu, porque até já os avisos “vou voltar” de Fernando Ruas se tornaram banais e recorrentes, perdendo assim toda a graça.

Assim sendo, parece-me que “rentrée”não se justifica, que continue a…

Federação? Não… Lista…

Anda animado o PS, tanto nacional como local. Ele é eleições primárias, essa “coisa” supostamente democrata que é a de 10364177_1437195086561153_7435398757189487040_ndeixar que quase todos, para não dizer qualquer um, decidam na nossa casa. Sim, que a diferença entre este género de primárias e o votar entre os amigos se devemos casar com a “Maria” ou com o “José” é pouca e pode resultar num “casamento” inadequado e que de todo não se queria.

Mas este populismo barato é um problema do PS e dos seus militantes, a eles caberá arcar com os resultados e consequências…

Animados e muito, andam os socialistas cá da paróquia e arredores. É que ainda antes desse acto democrático, a 6 de Setembro, há eleições para a Federação Distrital de Viseu. Para  muitos, estas são consideradas um barómetro, pelo menos no lado dos militantes, para as “primárias” de 28 de Setembro. Uma espécie de Costa versus Seguro dos pequeninos…

935897_568951496494812_1387822191_nJoão Azevedo, actual Presidente da Federação, optou por não se recandidatar, terá as suas suas razões. Fica o registo da simpatia pessoal que nutro pelo mesmo, quando nos cruzámos no “mundo político” existiu sempre um respeito e cordialidade mútuos.

Assim sendo, temos de um lado António Borges, ex-edil de Resende, vice-presidente do FCP, nº 2 de Azevedo na Federação, apoiante de Seguro.  Do outro Acácio Pinto, deputado, Presidente da Assembleia da CIM Vise Dão Lafões, ex-Governador Civil, Ex-candidato derrotado ao Município do Sátão,  apoiante de Costa. Norte contra Sul…

António Borges, conta com o apoio de Miguel Ginestal, Acácio vai a jogo com o apoio de José Junqueiro. Borges conta com os votos do norte do distrito, mormente Resende e Lamego e espera para ver o “peso” de Ginestal em Viseu. A seu favor o facto de, ao que parece, a norte a malta ter quase toda as quotas em dia, condição essencial para votar, o que parece já não ser verdade mais para o sul do distrito, onde Acácio Pinto colhe mais apoios…

Mas um dos aspectos mais interessantes destas eleições, é o facto de, mais uma vez, Viseu concelho não conseguir gerar uma candidatura à liderança da Federação distrital. Com militantes de “peso” como Miguel Ginestal, Paulo Ribeiro Simões, Fernando Cálix ou João Paulo Rebelo, um punhado de interessantes e promissores “jovens turcos” como Bernardo Simões, José Pedro Gomes, Manuel Mirandez, Vítor Simão e Sara Calhau, o PS Viseu, fica, mais uma vez a ver “passar os navios”… ou estará a reservar-se para apenas ir a jogo em 2015? Não esqueçamos que segundo os estatutos socialistas, a seguir a qualquer acto eleitoral, há eleições para os órgãos locais… 1910488_262620363934357_5432336825125121820_n

Borges tem fortes hipóteses de sair vencedor, tem uma certa aura de vitória, de sucesso, de competência com provas dadas… Mas está muito enfileirado a norte e com o norte do distrito. Se para Viseu já não é positivo “não ter” a Federação, pior não deve haver do que a ver na mão daqueles que se pudessem noutro lado estariam…

10421206_10202189769688091_3814456782482163742_nAcácio Pinto, candidato simpático, com apoios de monta, figura por todos respeitada, profundo conhecedor de todo o distrito, tem fortes apoios a sul, mas terá como grande opositor, muito provavelmente, as quotas…

Pelo que representam, pelos apoios que apresentam, pela “guerra” que se avizinha e adivinha, esta contenda Borges-Pinto pode muito bem ser um barómetro para as primárias de 28 de Setembro.  Mas será, seguramente, uma espécie de “salvo-conduto” para quem se ganhar a 6, perder a 28, não só para o candidato, mas sobretudo para alguns dos que os apoiam. Pois mais do que a liderança da Federação, discute-se a composição da lista de deputados nas legislativas de 2015…