Depois do 15… já estamos no 16.

E eis que se “sai” de 2015 e se “chega” a 2016 algures no “profundo” Portugal e, ao mesmo tempo, aqui tão perto, por terras onde o frio é rei e os fumeiros aquecem as casas deste demo por onde andou um dos maiores vultos da nossa literatura e da História das gentes e de um povo, afinal, foi Aquilino que nos falou destas “terras do demo” e nos deu a conhecer este gente “dura” mas meiga, talhada no granito frio e escuro, que nos aquece a alma e o corpo com a sua maneira simples e humilde de receber, de quem oferece o que tem e o que tem é o melhor que podemos querer…

Adiante, que apesar de ser o primeiro do ano, se faz tarde pela companhia dos que nos são próximos e com os quais fizemos esta “travessia”, não só a de hoje, mas a da vida…

2015 foi tempo de vésperas de um “Tempo de Vésperas” que se espera mais interventivo, mais assíduo, mais próximo e presente. Este que agora findou, foi um ano de algum resguardo, de alguma reflexão e de outros projectos que nos levaram o tempo e muitas vezes a vontade…

Este que agora se finou fica indelevelmente marcado pela “vitória” dos que perderam, numa espécie
de “tu ganhaste” mas a “bola” é minha, das minhas amigas “esganiçadas” e images-1dos meus camaradas de Moscovo, que já não é do povo, como do povo já images-2não são colhidas as vontades, que agora se interpretam não como são, mas alguns julgam que são. Vai daí, enganam-se os tolos e o resto está à vista de quem quer ver para além da miopia castradora que alguns herdaram de um Abril que nem Novembro, num mesmo 25, resolveu… e depois de se lá estar, afinal é como na vida real, não é bem assim…

images-3O 15 foi também o ano de Jesus, andou uns metros na 2ª circular e foi elevado à categoria de herói da “irmandade”. Se como técnico lhe são conhecidas qualidades, quanto ao resto nada trouxe de novo à arte de “mascar a pastilha” e, vamos ver, se à “irmandade”, dá algo mais além de um Natal que, apesar de tudo, não diferiu muito de outros tantos, muitos, vividos pelo Campo Grande.

No dealbar do ano eis que Paulo, dizem, resolveu “dizer” que sai em Abril, fechando um ciclo emimages-4 que, goste-se ou não, marcou a política portuguesa, reformou a direita portuguesa, uma direita diferente das suas congéneres europeias, uma direita “moldada” por Paulo, para Paulo e de Paulo… Irrevogavelmente ficará para história que a história dele falará, na certeza que há um tempo antes e um tempo depois.

2015 foi ano em que uns quantos continuaram a tentar impor pelo medo as suas crenças e ideias, se images-6bem que não se percebe como se quando muitos do seus procuram refúgio nessa sociedade queimages-5 tanto abominam. Nesta matéria, tenho para mim, que não há negociação possível nem amnistia que traga de volta aqueles que “partiram” mais cedo, que o digam os 13 portugueses e seus familiares que perderam a vida em nome das “absolvidas” FP’s-25…

No que resta, desejar um excelente 2016, na promessa de nos encontrarmos mais vezes por aqui, em tempo de vésperas de vésperas de um tempo melhor…

Terras do Demo, ao primeiro de Janeiro do Ano da Graça de dois mil e dezasseis.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s