No CDS é festa com todos… ou quase todos…

images-1Sem surpresa e como já anteviam os próprios, foi eleita a nova Comissão Política Distrital de Viseu do CDS. Parabéns aos eleitos, mormente ao re-eleito Presidente José Hélder do Amaral.

Sobre estas eleições pouco ou nada há para dizer. Mais apregoada, em antecipação, que as ditas eleições, foi a posse de mesma já no próximo dia 18, em conjunto com as concelhiasimages  recentemente eleitas e nas quais se inclui da Viseu, que aliás, diga-se em abono da verdade e porque é afirmado pelo própria estrutura, passou os últimos 3 meses, desde que eleita em 5 de Julho passado, a preparar esta grande festa que será abrilhantada com a presença do Presidente do Partido Dr. Paulo Portas.

images-2Em relação aos novos eleitos, surpresa só mesmo a inclusão de Carlos Cunha, candidato derrotado nas últimas e muito disputadas eleições para a concelhia de Viseu, que passa de “inimigo” a acólito… De resto, todos ao barulho, numa espécie de albergue espanhol, que em 2015 há eleições legislativas…

Quem, presumo, não terá gostado muito deste processo, da forma como foi conduzido e do que dele resulta, terá sido o actual(???) líder da bancada parlamentar do CDS na Assembleia Municipal de Viseu, Coronel Fernando Figueiredo(FF). Hélder 999997_629780207047009_2056605853_n-1Amaral, ao que julgo saber, não passou cartão aquele que foi seu companheiro de luta nas últimas autárquicas e fiel escudeiro nas “lutas” em torno das eleições de Julho para a Concelhia local.

A FF, ausente em Timor por questões profissionais, também já devem ter chegado ecos do que se passou na última Assembleia Municipal de Viseu, onde o CDS e 421834_605632426128454_1298566268_nnomeadamente FF, foram fortemente visados criticamente pelo Presidente do Município sem que existisse uma qualquer “bazookada” de resposta por parte de quem quer que fosse do CDS, nem “na hora” por parte dos restantes deputados municipais, nem à posteriori por parte do Vereador presente na reunião, o “substituto” Vítor Duarte, ou da concelhia eleita, se bem que esta última se encontrava “impedida” de o fazer pois ainda não tomou posse…

É de crer que “bazookas” tenha começado a “limpar as botas”… para ir à festa do dia 18…

Resta desejar aos eleitos votos de bom trabalho, o distrito e o país precisam de um CDS forte, presente, participativo e responsável.

Que assim seja.

Anúncios

Afinal são já dia 11…

10468680_688372021255823_152328367447792567_nQuase passavam despercebidas, mas aí estão as eleições para os órgão distritais do CDS-PP, convocadas em 10 de Setembro…

Publicada fora de prazo, certamente por lapso dos serviços HAcentrais do Partido, aqui fica a lista, única, candidata que apresenta Hélder Amaral como candidato a Presidente da Comissão Política Distrital e António José Coelho para a Mesa do Plenário Distrital.

A posse, bem essa não demorará muito, deve ser já dia 18, data em que tomam posse várias concelhias, incluindo a de Viseu, espera-se…

Sábado, dia 11, lá irei cumprir com o meu dever de militante e “botar” o voto…

 

 

92 dias depois… Onde andas tu CDS?

Cumprem-se hoje, 5 de Outubro do ano da graça de 2015, 92 dias, ou se preferirmos 13   semanas, sobre a eleição da “nova” Comissão Política Concelhia(CPC) de Viseu do CDS-PP. Disso mesmo demos conta por aqui, realçando que essas eleições traziam “à evidência um CDS motivado, renovado e com alternativas credíveis ao nível local”…Captura de ecrã 2014-10-5, às 13.41.29 Eleições renhidas e muito participadas, da qual emergiu como 1921999_10201935796431107_7972333063828102553_nlíder Joana Couto de Sousa, conforme se lia nesse mesmo dia na página oficial da CPC de Viseu no facebook e onde se anunciava para breve a tomada de posse… 3 meses depois… Continuamos, os militantes, a aguardar pela posse, resta saber ser continuarão os viseenses a aguardar por este CDS…

Viseu, Setembro de 2014…

E eis que entrámos no outono, época do ano que antecede o inverno e se segue ao verão. Começam a cair as folhas, a paleta ganha novas  cores, os cheiros mudam, mas a cidade, essa, continua… Ali, no mesmo sítio de sempre, com a mesma agitação de sempre, é ela, a cidade…

Foi tempo de feirar, foi tempo de vindimar, foi tempo de viver a cidade, tempo esse que é eterno e que não definha por ser outono, tempo de vésperas de um inverno que se aproxima…

A cidade vive e vive-se intensamente. Vive-se por si e per si, pelos múltiplos eventos que nela ocorrem, pelos seus monumentos, pelas suas ruas, vielas e calçadas, pelas suas gentes, as que nela habitam e as que a visitam. A cidade é conjunto de tudo, é um todo que não se pode separar nem procurar dividir.

Mas a cidade não é só o seu burgo, o seu casco histórico, ou as suas praças mais emblemáticas aonde todos acorrem e onde tudo parece perfeito, mesmo que o não seja. A cidade são os cantos menos claros, os bairros, lugares e aldeias que a circundam, a cidade é, hoje, tudo o que nela vive, dela vive e para ela vive…

Posto este intróito, longo, quase queiroziano, interessa fazer a reflexão sobre a cidade que temos, mas decisivo é, reflectirmos sobra que cidade queremos no futuro. É esta a discussão que realmente importa. Saber para onde queremos ir, porquê e como. O passado já foi, não se apaga por vontade dos homens nem de qualquer outra força, existiu, ficou. O presente, esse pode ajudar a definir o futuro mas, para que isso aconteça, é necessário que saiba a primeira condição de qualquer viagem que se queira de sucesso,  para onde vamos???

E é esta discussão,  para mim mais importante que qualquer outra, que interessa fazer. Discussão séria, franca e em campo aberto. Sem tibiezas, preconceitos ou receios de qualquer espécie, onde todos opinam, reflectem e discutem a sua cidade.

Para este fórum todos devem ser convocados, os que cá estão e os que não estão, mas que pelo mundo fora, fazendo parte da diáspora que se espalha pelos quatro partidas do Mundo, carregam consigo a sua, nossa, cidade.

Fica aqui o desafio para a organização de um grande fórum de discussão sobre o futuro da nossa cidade, desafio esse que compete a todos aceitar e participar. Eu, da minha parte, direi: PRESENTE!

(artigo publicado  na edição nº 4 da LINK VISEU)