O Presidente, a oposição e o futuro…

1380568_10202124742781636_1698331498_nAinda nem uma semana completa de mandato passou e já António Almeida Henriques, o Presidente, e os partidos da oposição, leia-se CDS, trocaram “amenos” galhardetes em sede de reunião de executivo municipal, logo a abrir e para começar em beleza.

helder-amaral-cdsHélder Amaral, que diz “pagar” para ser Vereador, não está para levar o seu mandato em tom de brincadeira. Como tal, logo na primeira reunião toca de exigir rigor e cumprimento do que emana a lei, até porque a tradição já não é o que era e não se facilita a quem apenas complica…

20120801-144935.jpgJá o camarada Junqueiro, rendido aos encantos da capital do Império e já a marcar terreno na “bicha” para Bruxelas, resolveu não se vir maçar, afinal de contas, o “povo” já disse o que dele Unknown-2não quer e, também, é preciso dar espaço a João Paulo Rebelo, para mim, o candidato da esquerda democrática e não acéfala nas próximas autárquicas. Mas para tal, João Paulo vai ter que deixar de acreditar no Pai Natal e no milagre da redenção… João, este Presidente não é o “Presidente”…

Ora já se viu que António, o Presidente, não está para dar “léria” à oposição, mas está pronto para dar o troco sempre que necessário, o que pode revelar-se fatal, mas,  estou certo que a qualidade intrínseca do próprio e daqueles que mais de perto o rodeiam, será bastante para evitar que se perca em algumas diatribes dignas de uma qualquer banda desenhada de publicação mural indoor…

Esqueçamos o que António, o Presidente, decidiu sobre as reuniões camarárias, até porque é o Presidente e, na minha terra, o Presidente é que manda… Vamos ao que interessa: Que oposição? A resposta a esta pergunta encerra em si o futuro da cidade.

Quer-se uma oposição madura, responsável, solidária e participativa mas nunca num estilo de arruaça contínua e acefaleia que por vezes teima em querer instalar-se , mormente no quadrante ideológico mais oposto ao meu, ou seja, na esquerda retrógada. Oposição por oposição, dente por dente só serve os interesses de quem não quer Viseu cidade-região, no fundo, apenas de quem quer que se mantenha o Estado d’Arte reinante, em que tudo nos passa ao lado e não estou a falar do comboio…

A cidade-região constrói-se com todos, com inclusão e abertura de espirito. Se de quem lidera se espera o exemplo desse esforço,o  que para já não parece existir, de quem tem por dever ajudar nessa construção, e a oposição não só tem esse dever como tem a obrigação, por mandato dos votos expressos em urna de participar activamente na consecução dos objectivos comuns, espera-se que contribua positivamente para esse desiderato mantendo o respeito pelas identidades e diversidades de cada um.

O objectivo de fazer Viseu cidade-região deverá ser o eixo prioritário deste executivo, tudo entronca neste propósito e nele todos, acho eu, estamos de acordo. É necessário que se criem os consensos necessários e se aglutinem as vontades em torno daquilo que é primordial e essencial para a cidade, um projecto sustentado e equilibrado de desenvolvimento social, cultural e económico.

Quanto não pode “valer” a influência de um deputado da Assembleia da República e simultâneamente vereador? Mais vale ostracizar, não “usar” estes vereadores, ou “usar” a sua capacidade de influência em prol do objectivo traçado?

Para mim, tenho que é importante que exista um clima que permita que todos, sem excepção, contribuam para um objectivo que é de todos nós, o desenvolvimento e o futuro não têm ideologia nem cor….

Viseu merece e precisa…

Anúncios

Os dias de António…

1380568_10202124742781636_1698331498_n22 de Outubro do ano da graça de 2013, tarde outonal, António Joaquim Almeida Henriques toma posse como Presidente da Câmara Municipal de Viseu, qual sonho de menino, o “Tó” é o Presidente…

António prometeu um novo ciclo, Viseu, cidade-região, precisa que António o edifique.

Por opção, não estive na tomada de posse, aliás, tenho fobia a essas cerimónias onde o sorriso e o abraço caminham à frente da hipocrisia e ao lado da cara de pau..

António, o Presidente, já meteu mãos ao trabalho, pelo menos no site do município aparece logo a abrir a mensagem do novel Presidente.

Muitos são os desafios de António, que a partir de ontem, se confundem na sua maioria, com os desafios de Viseu. Se o discurso de posse nada trouxe de novo, também não tinha que o trazer, tem o mérito de reiterar muito do que “prometeu” em campanha. António, já o tinha dito por aqui, fez a análise da situação, do contexto, preparou a acção e o verbo, agora é tempo é de arregaçar as mangas e edificar novo ciclo. Novo ciclo de ideias mas, principalmente, de métodos e processos. António vai enfrentar resistências e resiliências, obstáculos e pedras pelo caminho, António quer suceder mas não ser o sucessor, isso tem um preço que António e os seus estão dispostos a pagar…

Um novo ciclo começa, abram-se as portas e janelas dos Paços do Concelho, arejem-se as mentes e mentalidades de todos, a bem de Viseu, cidade-região, a  bem de todos nós.

De tudo o que disse ontem e durante o período de campanha há, para mim, uma frase que define a essência deste novo ciclo e reflecte a análise que António fez e bem da situação. Viseu, nos últimos 24 anos, falhou essencialmente naquilo que essa frase que para muitos pode ser insignificante, perdidos que andam em busca da ferrovia perdida ou do centro histórico “by”… , mas que resume e encerra em si o que falhou e o que tem que ser feito: “Pretendo uma voz em rede com os municípios com quem Viseu forma uma comunidade e uma região. Uma voz forte e esclarecida perante o poder central, de quem reclama e espera transparência, lealdade e cooperação”.

Que assim seja, que Deus e os os homens o ajudem, por Viseu, por todos nós.

Os dias de António chegaram…

Adeus Fernando…

images-9

Fernando de Carvalho Ruas, o homem por detrás de um Presidente, vive, por ventura, hoje, um dos dias mais importantes da sua vida. Tão ou mais importante como aquele que viveu há 24 anos atrás na sua tomada de posse.

Fernando, então um jovem de 40 anos, tornava-se Presidente da Câmara de Viseu sucedendo a Engrácia Carrilho. Poucos ou nenhuns, nem mesmo o próprio, esperariam ou acreditavam no que estava para vir…

images-8Fernando, contra a expectativa geral, afirma-se na condição de Presidente, tendo governado o concelho quase um quarto de século. Hoje, olhando para trás, cumpre-nos dizer obrigado…

Obrigado por 24 anos de dedicação a Viseu, obrigado pela obra que deixa, mas também pela que não deixa, obrigado por tudo o que fez e não fez…

images-8A hora, para ele Fernando, não será seguramente fácil, mais logo, quando cruzar pela última vez a porta dos Paços do Concelho, Fernando Ruas, o homem, inicia uma nova etapa da sua vida e despede-se de Fernando Ruas, o Presidente. São 24 anos de uma vida que se confunde com a da cidade e do concelho…

A FERNANDO desejo as maiores felicidades nesta nova etapa da sua vida.

 

António, Viseu precisa que …

Já aqui escrevi sobre a vitória de António Almeida Henriques e a sua eleição como Presidente da Câmara de Viseu, também já opinei sobre alguns desafios que António irá enfrentar e, sinceramente, não esperava voltar a escrever sobre “isto” tão cedo…

getimage.aspxAntónio Almeida Henriques e restantes eleitos tomam posse no próximo dia 22 do corrente, mas António não perde tempo e, bem diga-se, foi preparando o seu trabalho e escolhendo aqueles que consigo mais de perto vão trabalhar, apesar de só fazer convites depois da posse… De caminho aproveita para, em entrevista ao Jornal de Notícias de 13 de Outubro, deixar algumas ideias no ar sobre que pretende fazer e com as quais facilmente concordo e acho que poucos não as subscrevem na sua generalidade e bondade.

Se não admira que o “seu” 1ª escolha na lista que consigo foi a votos, o Arquitecto Fernando Marques, seja o preferido para o lugar de gestor do centro histórico, seja isso o que for e não estando em questão a qualidade intrínseca  do citado, que para mim merecia e deveria ter tido lugar “mais acima” na lista da vereação, por outro lado muito me admira a sua, do António, vontade em manter ou marcar, isto no caso de não querer correr o risco de ser apenas o fiel escudeiro de D. Ruas, o que vai mas quer voltar, as reuniões do executivo camarário para as 5ª’s-feiras.

António, talvez atraiçoado pela sua bílis, ainda não recomposta da intensa campanha eleitoral, esquecido que reuniões da Assembleia Municipal por si presidida só às 2ª’s e 6ª’s, talvez porque desse mais jeito aos deputados municipais, mostra-nos que o novo ciclo, as novas políticas, uma nova forma de estar e fazer afinal de contas podem traduzir-se num imenso deserto… talvez aquele que alguém atravessará em apenas quatro anos…

Não basta dizer que e passo a citar: “Viseu tem de interagir com o Porto e com Lisboa. Viseu tem de se abrir ao Mundo”. É preciso fazê-lo com atitudes consequentes, ou não “passaremos” de Rio Maior…

Um dia alguém disse a Francisco Lucas Pires que quando o país precisou que crescesse, infelizmente ele tinha engordado…

Vencedores e vencidos de 29…

Como em todas as noites eleitorais, este pretérito domingo, 29 de Setembro do ano da graça de 2013, existiram vencedores e vencidos. Na noite de 29, os resultados das eleições autárquicas revelaram uns e outros, sendo que alguns nem a votos precisaram de ir…

Comecemos por aqueles que foram os vencidos, não da vida, mas da noite eleitoral:

  • images-5JOSÉ JUNQUEIRO, não conseguiu ganhar a câmara de Viseu sem Fernando Ruas na corrida, Junqueiro não foi capaz de convencer os viseenses da bondade das suas propostas. Não chega “trocar” o GPS por uma máquina de retratos e usar o sorriso nº3, é preciso “ser” sempre…
  • UnknownMOTA FARIA, líder da distrital laranja vai ter que explicar aos seus como conseguiu perder 5 câmaras no distrito(2 em coligação) e apenas ganhar 3, uma delas, Tabuaço em coligação com o CDS, sendo que Oliveira de Frades “passa”, também, para a coligação. Acresce a trapalhada do processo eleitoral em Viseu e não só, junte-se o resultado próprio na lista que encabeçava pelo PSD, candidato de recurso é certo, à  Assembleia Municipal de Viseu onde garante a maioria por apenas um deputado…
  • capa_95c9d994f8d75d4d60f8bb8f25902339FERNANDO RUAS, incomodado e contrariado lá deu o seu apoio a António Almeida Henriques. Derrotado na escolha e constituição da lista laranja, foi incómodo durante a pré e campanha eleitoral, aproveitou as 2 últimas semanas de mandato para descerrar tudo o que era placa com o seu nome, Ruas merecia sair de outra forma, mas não, sai pela porta que escolheu… e não é para Rua Formosa.
  • BLOCO DE ESQUERDA, à porta do momento final, em Viseu não fugiu do desconcertoimages-4 nacional. Quer em S. Pedro do Sul, onde pontificavam os seus mais carismáticos militantes, quer em Viseu, onde Carlos Vieira e Manuela Antunes foram cabeças de cartaz, o Bloco não conseguiu os seus intentos, vendo-se, inclusivé, ultrapassado em Viseu pela CDU nas eleições para a câmara… Mas tal como em Lisboa, por aqui também se “cantam” ossanas de vitória…  enfim, nos fins da vida a tudo se chega…
  • Unknown-2A COLIGAÇÃO PSD/CDS perde 2 câmaras no distrito, Nelas e Penalva do Castelo, “ganha” outras 2, Tabuaço ao PS e Oliveira de Frades ao PSD… Se na matemática tudo parece igual, politicamente não o é…

Vencedores na noite de domingo, na minha modesta opinião, foram:

  • joao-azevedoJOÃO AZEVEDO, líder distrital do PS, arrasou em Mangualde, ganhou 5 câmaras e “despachou” José Junqueiro. No PS, o futuro a João Azevedo pertence…
  • helder-amaral-cdsHÉLDER AMARAL, eleito vereador em Viseu, recolocando o CDS no lugar próprio depois de 20 anos de jejum. A nível distrital, tal como no país, o CDS passa ao lado da “hecatombe” laranja… Hélder passa com distinção, agora basta agarrar  o futuro…
  • imagesCDU VISEU, mais que duplica a sua votação e consegue eleger um representante na Assembleia Municipal de Viseu. Certo que se trata mais de um voto de protesto que outra coisa, o seu a seu dono e a CDU e o Francisco Almeida também ganharam no domingo. Vamos ver até quando.
  • Carlos MartaCARLOS MARTA, deixa Tondela bem entregue nas mãos do indefectível José António, os resultados distritais mostraram que tinha razão quando “avistou” ao longe a hecatombe laranja, crítico de Mota Faria, foi apontado como o mais forte candidato ao município viseense, granjeava simpatia muito para além do espectro laranja, o   que logo causou urticárias várias, sem ir a votos, pairou sobre as eleições sem se notar, o nóvel Presidente da Fundação do Desporto tem um longo caminho pela sua frente, tenho para mim que o futuro do PSD Viseu passará por aqui…

Noutra escala, houve mais vencidos e mais vencedores, desde logo o Coronel Figueiredo que chega à Assembleia Municipal de Viseu com um CDS reforçado e aumentado, os “desalinhados” socialistas que viram e bem, diga-se, ao longe o desastre JJ, com Jorge Silva à cabeça. Rui Pedro Almeida que como independente ganhou a Junta de Freguesia de Abraveses, num claro cartão vermelho ao PSD de Guilherme Almeida, também ele um dos vencedores da noite.

Noite esta, em que até o meu amigo Fernando Cálix cantou vitória, tinhas razão Fernando…