Eu, Rui, cidadão e militante também sou contribuinte!

Hoje, ao verem o meu nome num comunicado emitido por um punhado de ex-dirigentes e candidatos autárquicos do CDS e JP no concelho de Viseu, que preocupados, mais com a cidade e o concelho do que, mas também, com o estado do partido, decidiram constituir-se como “COMISSÃO PARA A PREPARAÇÃO DO PROCESSO ELEITORAL AUTÁRQUICO DE 2013”, algumas “almas” tiveram um assumo de preocupação com a minha pessoa, que carinhosamente aceito, mas que de todo se torna desnecessário.

Continuo, tal como em Maio passado, “completamente livre, completamente solto”, continuo,coerentemente, a pensar o mesmo, aliás, infelizmente, o tempo, que na altura era de vésperas, veio a dar-me razão. Assim não fosse, e gostava que não fosse, estaríamos hoje perante este cenário?

Como afirmei ao Jornal do Centro em Outubro, o vazio criado na estrutura concelhia de Viseu, preocupava-me e preocupa, mais ainda quando chegados a esta altura e  poucas soluções animadoras se vislumbram.

Entendia então e entendo ainda mais hoje, que o processo eleitoral autárquico que se avizinha é de vital importância para o CDS, mas é fulcral e decisivo para Viseu, que não pode continuar adiado por mais 4 anos.

Assim sendo, entendo ser meu dever como viseense preocupado e militante de base do CDS Viseu, com responsabilidades no passado do mesmo, que não escamoteio ou aligeiro, assumir em conjunto com os restantes militantes que constituem a referida Comissão a responsabilidade de criar as condições necessárias para que se apresente aos viseenses um projecto autárquico responsável, inovador e que de uma vez por todas, conduza Viseu a uma nova urbanidade, a uma mudança de paradigma, à afirmação de Viseu como a verdadeira e efectiva capital económica, cultural, social e política da região centro.

É esse o espírito que me move e sejam quais sejam as criticas ou estados de alma que possa gerar, desta responsabilidade cívica e politica não abdicarei. neste tempo de vésperas de um amanhã  que, finalmente, sem receios cumpra Viseu.

Simplesmente não me apetecia…

23 de Janeiro de 2013, 10h 15m, A25 sentido Viseu-Aveiro, sentado no lugar do “pendura”, passo os olhos pela imprensa nacional e local, visito a blogosfera, lá fora chove e bem, dentro da viatura nem por isso, passo pelos textos que escrevi anteriormente e publiquei, passo por outros que não publiquei, recebo uma chamada de um amigo a reclamar da minha “ausência”, respondo que volto em breve, desligo e…
Aqui estamos de novo, de volta não para o “meu aconchego” mas a tempo de vésperas, de um amanhã que cada vez mais tarda a chegar…
Perguntam-me porque deixei de escrever, simplesmente, não me apetecia… Como diz um amigo meu: “é um direito constitucional que te assiste”.
Segue a viagem, vê-se neve.. Na rádio ouve-se FMI, Tróika,Passos pouco “Seguro”, Arménio, nao o trolha da Areosa mas o outro, enfim… o Benfica ganhou, a crise continua, a do Sporting também…
Por Viseu realce para o Académico, a caminho da subida e da necessária restruturação para não entrar em tempo de vésperas de um passado recente, José Junqueiro de repente, ou talvez não, disponível para Viseu e para os viseenses, caso para dizer que 20 anos depois, o GPS trouxe-o de volta à cidade onde dá gosto viver com ruas e rotundas engalanadas, um rossio em cada aldeia, um comboio que já não chega e uma visão cada vez mais de quintal que de vocação de Centro liderante…
2013, “annus horribilís” para muitos, janela de oportunidade para uns quantos, assim o queiram…
PSD e CDS, calmos e serenos, ou talvez não, nada disseram ainda sobre as Autárquicas deste ano, excepção feita ao célebre envelope de Fernando Ruas, o tempo urge e Viseu não está em condições de esperar mais quatro anos…
Cumpra-se Viseu, PSD e CDS têm essa obrigação.
Até já.