Sexta 13, nada muda apesar do vento e das vozes da bancada…

Sexta-feira 13, dia vulgarmente entendido como aziago, ou talvez não..

Ao folhear o Jornal do Centro de hoje deparo com a entrevista aos candidatos à liderança da concelhia socialista de Viseu e, em 5 longos minutos, constatei que de um lado está o passado que nunca será futuro e do outro um futuro que quer trazer um passado que já ficou lá trás. A re-candidata, esforçada em dizer que não é profissional, que o outro andava perdido e que não tem culpa de nada e o desafiante sem padrinho, diz, seja lá o que isso queira dizer, a procurar mostrar que tem Generais e pulso forte e que afinal esteve sempre ali, ao virar da esquina… terá sido por isso que dele se lembraram para ir à emulação.

Alguém, que não o “último viriato” socialista, se  deve estar a rir e a  fazer contas para 2014 a pensar em 2017.

Já pelos lados da Praça da República, a avaliar pela entrevista do Presidente da ANMP, as preocupações são outras. Depois da derrota que os apaniguados tiveram nas eleições para a concelhia local, parece que a preocupação agora vai para alguns ventos agrestes que correm vindos de não sei onde, mas que envolvidos pelo vale Caramulo – Estrela têm alvoraçado a protecção civil ao ponto de até os bombeiros municipais estarem de prontidão, ou nem por isso… Até o último viriato laranja se ausentou para parte incerta, talvez avisado do tsunami…

Miguel Fernandes, no seu extrordinário blog “A Tribuna de Viseu”, faz uma análise cáustica do Estado d’ Arte da política local, fácilmente subscrevo muito do que diz sem receios que, sendo também actor político, me caia em cima algo do que diz. Mas gostava aqui de relembrar que os principais culpados somos todos nós, cidadãos supostamente responsáveis que, ano após ano, em sucessivos actos eleitorais permitimos, muitas vezes por omissão, este estado de coisas. Quantos ficaram em casa durante os últimos 20 anos a queixarem-se das “ruas” da cidade? É que em Viseu, no inverno faz frio e no verão faz calor, é uma chatice… Como diz o brasileiro:”vou ficar assistindo de arquibancada…”

Viseu precisa de uma nova geração de políticas, Viseu precisa de recuperar do letargismo reinante assente num provincianismo que não vai além do Pavia, Viseu precisa de todos, nem que seja numa sexta-feira 13 qualquer…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s